Foto Divulgação

Primeiro veículo da ofensiva elétrica da Volkswagen na região da América Latina, o Golf GTE chega ao mercado trazendo um novo conceito de mobilidade elétrica para o Brasil. Além do Golf, a marca passa a oferecer para os clientes as soluções mais eficientes de micromobilidade disponíveis no mundo: bicicleta e patinete elétricos. E com emissão zero, claro. 

Na Europa, há uma tendência para investimento no que chamamos de “Last
Mile Run”. Ou seja, o percurso final em que as pessoas percorrem até o
trabalho todos os dias.

O Golf GTE permite chegar até o centro urbano no modo puramente elétrico. A
partir daí, o cliente pode optar pelo patinete elétrico ou a bicicleta elétrica
Volkswagen, que atendem perfeitamente as demandas nos grandes centros urbanos,
integrando mobilidade. É uma solução perfeita para uma cidade como São Paulo,
por exemplo.

Foto Divulgação

Um cafezinho por dia

O Golf GTE une o melhor de dois mundos: desempenho esportivo com excelente
eficiência energética. Pode ser conduzido no modo totalmente elétrico por cerca
de 50 km. Isso atende a demanda de 2/3 da população que vive nos grandes
centros urbanos, ou de sete em cada 10 pessoas.

O cliente pode rodar todos os dias sem emitir CO2, sem ruído e gastando
muito menos. Para rodar 50 km por dia, é preciso desembolsar apenas R$ 5, de
acordo com o preço estimado da energia na região Sudeste. É o valor de um
cafezinho!

Foto Divulgação

Bicicleta e patinete elétricos

Com desenho de estilo “mountain bike”, a bicicleta elétrica tem
motor elétrico de 350W e atinge velocidade máxima de 25 km/h no modo elétrico,
com autonomia de 30 km.

O patinete também tem motor elétrico de 350W, com autonomia de 20 km. A
velocidade máxima é de 25 km/h – o freio na roda traseira é a disco. Sua
capacidade de peso é de 100 kg.

Foto Divulgação
Foto Divulgação

6 elétricos e híbridos até 2023

A Volkswagen tem uma estratégia robusta para a eletrificação na Região
América Latina: serão seis carros elétricos e híbridos até 2023. O Golf GTE é o
primeiro dessa ofensiva e o 14º lançamento dos 20 previstos até 2020 dentro da
estratégia da Nova Volkswagen. É o primeiro híbrido da história da marca no
Brasil.

O Golf GTE estará disponível em três concessionárias da marca, em regiões
estratégicas (Brasília, São Paulo e Curitiba) e de alto volume para esse
produto, com preço sugerido de R$ 199.990, com pacote fechado de
equipamentos. 

Foto Divulgação

Dentro do segmento de hatches médios híbridos, o Golf é o único com
tecnologia plug-in, que permite o carregamento em tomada convencional de 220V
ou em aparelhos wallbox de 3,6 kW ou mais. Além disso, o modelo traz itens
exclusivos na categoria, como ACC (Controle Adaptativo de Cruzeiro), painel de
instrumentos totalmente digital (Active Info Display) e sistema de infotainment
com tela sensível ao toque de 9,2 polegadas e controle por gestos.]

Melhor de dois mundos

O Golf GTE tem dois motores: um a combustão de 1,4l TSI com 150 cv e um
motor elétrico de 75 kW (102cv). Combinados, oferecem potência de 150 kW (204
cv). Se o motor elétrico for a única fonte de força de propulsão, o Golf GTE
pode atingir velocidades de até 130 km/h.

Foto Divulgação

Quando toda a potência combinada do sistema é utilizada, o GTE vai de 0 a
100 km/h em 7,6 segundos, atingindo velocidade máxima de 222 km/h. Ainda mais
significativo é o potencial de propulsão superior do Golf GTE, obtido graças à
combinação dos dois motores, que produz torque máximo de 350 Nm (35,7
kgfm).  

Sua autonomia total, incluindo o motor elétrico e o motor a gasolina,
ultrapassa 900 km. Resumindo: é ideal para a cidade ou para a estrada. A
tecnologia híbrida utilizada pelo Golf GTE oferece vários modos de
funcionamento: 

Foto Divulgação

Modo elétrico: basta acionar um botão ao lado do
câmbio para entrar no “e-mode”. Nessa condição, apenas o motor
elétrico de 75 kW (102 cv) e 330 Nm (33,6 kgfm) é utilizado, o que torna o Golf
GTE um veículo totalmente livre de emissões. Importante: sempre que o Golf GTE
é ligado, o modo “e-mode” é acionado automaticamente. Em outras
palavras: não há som de ignição. No “e-mode” a velocidade máxima do
GTE é de 130 km/h.

Foto Divulgação

Modo híbrido: ao selecionar esse modo, a tecnologia do
GTE escolhe qual é o sistema mais eficiente para cada situação de uso do
veículo. Se o carro estiver em uma condição em que o motor elétrico for mais
eficiente, apenas esse sistema será utilizado. Se há uma situação em que é
necessário potência adicional, o motor 1.4 TSI será acionado automaticamente. O
modo híbrido possui a função de utilizar a carga da bateria ou mantê-la.

Modo recarga: nessa situação, apenas o motor 1.4 TSI
de 110 kW (150 cv) e 250 Nm (25,5 kgfm) movimentará o veículo. E mais: além de
mandar energia para as rodas, o propulsor fornecerá carga para a bateria.

Foto Divulgação

GTE: Esportividade é palavra de ordem nessa sigla.
Nesse modo, o motor 1.4 TSI e o motor elétrico trabalham juntos para
transformar o veículo em um esportivo nato. Suas potências são combinadas e o
motorista tem 204 cv e 35,7 kgfm à disposição.

Instrumentos e mostradores específicos  

Os principais sistemas são acionados de forma rápida e são sempre
visualizados – seja no painel de instrumentos ou no sistema de Infotainment com
tela sensível ao toque, que mostra as funções como monitor de autonomia,
mostrador de fluxo de energia e estatísticas de emissão zero. Há monitor de
autonomia, mostrador de fluxo de energia e medidor de energia – que mostrando
quanta energia do sistema está sendo utilizada no momento ou a intensidade da
regeneração da bateria.

1ª rede de recarga ultrarrápida da América Latina

A Volkswagen, juntamente com Audi e Porsche, empresas que fazem parte do
Grupo Volkswagen, firmou em outubro uma parceria estratégica com a EDP, para a
instalação de 30 novas estações de recarga de veículos elétricos no País.

Serão 29 postos de 150kW e um posto de 350kW – capazes de reabastecer a
bateria de um carro elétrico rapidamente – e mais 30 equipamentos de 22kW (AC).
Assim, cada ponto de recarga terá uma estação ultrarrápida e uma semirrápida.
Elas serão instaladas nas rodovias Tamoios, Imigrantes, Carvalho Pinto,
Governador Mário Covas, Dom Pedro, Washington Luís e Régis Bittencourt. 

Esta rede será interligada a outras já existentes no País, conectando um
total de 64 pontos de carregamento, formando um corredor de 2.500 km de
extensão, ligando os estados de São Paulo, Rio de Janeiro, Paraná e Espírito
Santo e Santa Catarina (de Vitória a Florianópolis).  

 

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here